Um assassino que rouba o cheiro de suas vítimas em ‘O Perfume: A História de um Assassino’

“O Perfume – A História de um Assassino”. Filme de Tom Tykwer. Narrativa da saga do humano. Narrativa que sempre pode ser sob diversos sentidos. O filme realmente seria uma maneira de evidenciar um dos sentidos humanos, o olfato. A linguagem ali foi explorada como local privilegiado de acesso ao mundo. Contudo, a razão moderna não seria nesse caso o fiat lux.

A narrativa de “Perfume”, que traz em seu subtítulo “a história de um crime”, traça por linhas marginais o conteúdo que rege por detrás dos lenços, dos cheiros, as relações humanas. Um perfume pode ser ao mesmo tempo aquele que faz amar e junto desse amor, aquele que mata. Jean-Baptiste Grenouille (Ben Whishaw), filho abandonado em uma feira é recebido em um orfanato. Nasceu no lixo. Em meio a todos os locais para onde acabam indo os humanos. Tornam-se adubo da terra. De alguma maneira, Grenouille ao se misturar com aquela podridão, inaugura o que seria o tom de sua vida: a relação com os variados cheiros do mundo.

O mundo, o céu e o inferno, se misturam no horizonte de  Grenouille. Enquanto inaugura seu mundo  a partir dos novos cheiros que sente, envolve-se em um assassinato. Essa cena na qual persegue uma bela moça e procura, depois dela morta, absorver e guardar seu cheiro, mostra a ânsia com a qual seus sentidos recobravam suas existência. Grenouille se comunicava com o mundo pelos cheiros. Não havia distição de cheiros. O outro se apresenta ao perfumista de nascença como um infinito. Como seu senhor. É nele que mora a própria condição do existir de Grenouille. O outro enquanto obra que o hospeda. Que o aprisiona. Tanto que ele é uma criança que custa aprender a falar. Isso seria uma mostra de que há horizontes outros de linguagem. Os sentidos dão-nos o mundo. Contudo, o cristianismo cuidou de levá-los ao patamar de pecado. Aqui estaria a próxima parte de nossa prosa.

“O Jardim das Delícias Terrenas” é um tríptico de Hieronymus Bosch. Nesse quadro podemos observar nas extremidades o céu e o inferno. Ao meio há uma imagem que quer simbolizar a vida terrestre na qual os humanos se relacionam sexualmente de maneira explícita. Esse quadro significaria a criação humana uma vez que fechado traz o seguinte trecho do Salmo 33: “Ele o diz, e todo foi feito. Ele o mandou, e tudo foi criado”. Daí em diante a visão sobre o filme se toma por simbolismos.

O perfumista recebe uma lição de seu mestre. Essa lição diz que um tipo de perfume perfeito poderia fazer recair sobre todos os humanos o sentimento do amor. As notas dos perfumes vão desde a apreensão pela cabeça, mais rápidas, notas do coração, pouco mais duradouras e por fim as notas de fundo, que perduram por longos tempos. Essa tríade de notas seria a mesma tríade do quadro que simboliza o céu, o inferno e a terra? O perfume seria a prova divina? Quando Grenouille comete os homicídios para retirar das mulheres a sua essência, cada uma a trazer uma essência, estaria ele a compor seu próprio mundo? Eva mordeu a maçã envenenada que trouxe o pecado. A essência retirada das vítimas de Grenouille formou o perfume ideal. A mulher, fecunda, criara assim o mundo a  partir do seu ventre? O mundo está, portanto, condenado ao pecado pelo cheiro da mulher?

Grenouille, o novo messias? Quando questionamos essa ideia, estamos a pensar na história de Cristo como uma ideologia. A simbologia e os ritos necessariamente mantidos para sua existência também aparecem no filme. Grenouille seria pregado na cruz. Receberia doze pancadas. Contudo, ao deixar esvair pelos homens a sua boa nova, em forma de perfume, tem todos prostrados a seus pés. Seria o Cristo uma invenção? Podemos criar outros a partir dos sentidos? O Cristo espiritualmente mantido presente poderia ser um Cristo que existe pelos sentidos? Mais uma vez estaria Nietzsche correto: “Deus está morto”? A carne negada pelo cristianismo poderia frutificar e fazer novos Cristos? Qual o cheiro de Cristo? Ele possui? As mulheres foram queimadas na Inquisição. O filme ocorre na França pré-revolução: seria Grenouille o deus de um iluminismo com menos razão e mais cheiro? Sabe-se apenas que Grenouille morreu devorado pelos que idolatravam seu cheiro. É o ciclo da existência: deuses não podem viver como homens.

Compre o livro “O Perfume” de Patrick Süskind, que deu origem ao filme, aqui.

Compre os livros do autor desse post aqui (Cinema com filosofia Vol 1) ou aqui (Cinema com filosofia Vol 2).

Anúncios

Um comentário sobre “Um assassino que rouba o cheiro de suas vítimas em ‘O Perfume: A História de um Assassino’

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s