OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘Les Demoiselles d’Avignon’ de Picasso


Pablo Picasso, Les Demoiselles d’Avignon (As Senhoritas de Avignon), óleo sobre tela, 243,9 x 233,7 cm, 1907. Conservada no MoMA, Nova Iorque, EUA.

Les Demoiselles d’Avignon ou As Senhoritas de Avignon, em português, é uma das telas mais conhecidas de Pablo Picasso e de toda arte moderna. O artista a criou no verão de 1907, quando tinha seus vinte e poucos anos e morava em Paris. Seu título, dado por André Salmon, amigo do artista, na ocasião da primeira exposição da pintura em 1916, faz referência à rua Avignon, em Barcelona, que abrigava bordéis. Ou seja, a imagem representaria cinco prostitutas, entre cortinas que se abrem, que encaram e seduzem o espectador através de diferentes poses, gestos e olhares. O artista não teria gostado do título que acabou sendo atrelado à obra, a qual ele mesmo se referia como mon bordel – meu bordel.

A quantidade de desenhos e esboços preparatórios feitos antes da realização dessa obra foi enorme, e, através deles, é possível perceber como a composição mudou.

Picasso passou o verão anterior em Gósol, uma pequena cidade na Catalunha, junto à sua companheira na época, Fernandine Olivier. Lá, o jovem artista realizou diversos desenhos representando-a em diversas poses, os quais foram ponto de partida para a pintura O Harém. Nessa obra da fase rosa, época alegre que sucede a melancólica fase azul – sobre a qual já falamos aqui no site através da obra A Vida, que pertence a esse período -, vemos vários nus e um homem sentado. O tema do harém era muito comum no século XIX e pinturas famosas, tais como O banho turco, de Ingres, que o artista conhecia de suas visitas ao Louvre provavelmente influenciaram o artista, além das banhistas de Cézanne e que também foram uma influência importante.


Pablo Picasso, O Harém, óleo sobre tela, 154,3 x 110 cm, 1906. Conservada no The Cleveland Museum of Art, Cleveland, EUA.  


Jean-Auguste-Dominique Ingres, O banho turco, óleo sobre tela colada sobre madeira, 108 x 110 cm, 1852-1862. Conservada no Museu do Louvre, Paris, França.


Paul Cézanne, Banhistas, óleo sobre tela, 38,1 x 46 cm, 1874-1875. Conservada no MoMA, Nova Iorque, EUA.  


Paul Cézanne, As Grandes Banhistas, óleo sobre tela, 210,5 x 250,8 cm, 1900-1906. Conservada no Philadelphia Museum of Art, Filadélfia, EUA.

Entretanto, vemos a grande diferença entre O Harém e Les Demoiselles d’Avignon. Há uma grande ruptura na forma de representar que marca a própria mudança de interesse da arte moderna, ou seja, não é o que se representa, mas como se representa. Além disso, a mudança gradativa na composição atestada pelos trabalhos preparatórios mostra ainda que o artista abandonou os significados alegóricos. Nos esboços iniciais, havia mais duas figuras além das cinco prostituas, dois homens identificados como um estudante de medicina e um marinheiro. Nesses desenhos, o estudante algumas vezes segurava um livro ou um crânio – um memento mori, ou seja, uma lembrança da morte que alcança a todos. Assim, o estudante representaria a contemplação reflexiva ou a virtude, em oposição à participação ativa ou o vício, que é figurado pelo marinheiro junto à comida e o copo em forma fálica próximo a ele.

A composição de Les Demoiselles d’Avignon, então, deixa tudo isso para trás para focar na representação das cinco figuras femininas que se sobrepõe no espaço pequeno da tela que as enquadra. Podemos ver somente indícios do ambiente no qual elas se encontram através da cortina – que se confunde com o fundo por suas cores e pela compartimentalização deste – e da mesa com uma natureza morta que na parte inferior da pintura – como as que aparecerão com muita frequência nas composições cubistas que virão. Também é possível notar a diferença entre os rostos das três mulheres à nossa esquerda e as duas à nossa direita. As primeiras têm rostos mais próximos das antigas esculturas ibéricas que haviam sido redescobertas há pouco e que o artista havia visto, enquanto as outras duas mostram influências das máscaras esculpidas da arte africana e da Oceania – as artes ditas “primitivas” suscitavam grande interesse dos artistas na época – que Picasso havia visto em uma visita ao Museu Etnográfico, em Paris, influência que ele negava.

A pintura inicialmente foi vista como inacabada pelos próximos de Picasso que a viram em seu ateliê, a meio caminho entre a arte que se fazia antes e o cubismo e a abstração, sendo assim percursora do cubismo, que representava um mesmo objeto de diversos pontos de vista. Entretanto, segundo Leo Steinberg, um dos mais famosos comentadores da obra, ela não pode ser vista somente como um degrau para o cubismo, mas sim como uma grande obra prima da arte moderna que desconcerta o espectador através brutalidade e franqueza de sua representação, interpretação quase unânime atualmente, que se consolidou de vez após uma grande exposição acerca da obra no Museu Picasso, em Paris, em 1988.

Muito também já foi escrito sobre o significado da pintura girando em torno da sexualidade e da própria relação do artista com as mulheres, com grande influência da psicanálise. Muitas outras perguntas já foram feitas e respondidas de diversas maneiras. A mulheres seriam realmente prostitutas? Estariam usando máscaras africanas ou seus próprios rostos são as imagens das máscaras? Como questões gênero influenciam a composição, a maneira que a tela foi pintada e olhar do espectador? Essas e muitas outras questões podem ser indagadas pelos que se deparam Les Demoiselles d’Avignon, sem, necessariamente, acredito eu, haver respostas certas ou erradas para grande parte delas.  

 

Bibliografia:

Christopher GREEN (org.), Picasso’s Les Demoiselles d’Avignon, Cambridge/Nova Iorque, Cambridge University Press, 2001, p 1-14.
Disponível em: http://assets.cambridge.org/97805215/83671/sample/9780521583671ws.pdf

Josep PALAU I FABRE, Picasso, Rio de Janeiro, Ao Livro Técnico S/A, 1981. Trad. Lamartine Oberg.

Suzanne PRESTON BLIER, Picasso’s Demoiselles: The Untold Origins of a Modern Masterpiece, Durham/Londres, Duke University Press, 2019.
Disponível em: https://ia802807.us.archive.org/5/items/picassosdemoisel00blie/picassosdemoisel00blie.pdf

Leo STEINBERG, “The Philosophical Brothel”, October, vol. 44 (1988), p. 7–74. JSTOR, Disponível em: www.jstor.org/stable/778974

 

Links:

François de VERGNETTE, “Le bain turc” in Louvre, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://www.louvre.fr/oeuvre-notices/le-bain-turc

“Bathers” in Moma, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://www.metmuseum.org/art/collection/search/435867

“The Large Bathers” in Philadelphia Museum of Art, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://www.philamuseum.org/collections/permanent/104464.html?mulR=1053867977|17

“Les Demoiselles d’Avignon” in MoMA, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://www.moma.org/collection/works/79766

“Les Demoiselles d’Avignon: Conserving a Modern Masterpiece” in MoMA, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://www.moma.org/collection/about/conservation/demoiselles/index.html

“O centenário das senhoritas” in Revista Piauí, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://piaui.folha.uol.com.br/materia/o-centenario-das-senhoritas/

“The Harem” in Cleveland Museum of Art, [Online]. Consultado em 25/01/2021.
https://www.clevelandart.org/art/1958.45

 

Fontes das imagens:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:579px-Les_Demoiselles_d%27Avignon.jpg

https://www.clevelandart.org/art/1958.45
 https://www.philamuseum.org/collections/permanent/104464.html?mulR=1053867977|17

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Bathers_(C%C3%A9zanne)#/media/File:Baigneuses,_par_Paul_C%C3%A9zanne,_Metropolitan_Museum_of_Art.jpg

https://pt.wikipedia.org/wiki/Ficheiro:Le_Bain_Turc,_by_Jean_Auguste_Dominique_Ingres,_from_C2RMF_retouched.jpg 

Comprando qualquer produto na Amazon através desse link, você ajuda a manter o Artrianon e não paga nada a mais por isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s