OBRAS INQUIETAS 09. “Susana e os anciões” (1610), Artemisia Gentileschi

“Susana e os anciões” (1610), Artemisia Gentileschi Cale a boca. Eu sei que você quer. Se não quisesse, não estaria aí, desnuda, com esses seios brancos, duros, ansiosos pelas nossas mãos. Vem cá. Dê-me a tua boca: quero saber o … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 09. “Susana e os anciões” (1610), Artemisia Gentileschi

OBRAS INQUIETAS 08. “Agnus Dei” (1635-1640), Francisco de Zurbarán

“Agnus Dei” (1635-1640), Francisco de Zurbarán Eu sou aquele que vai morrer por causa dos seus pecados. Não fiz nada, mas, apesar disso, virei a materialização ainda pulsante e quente dos seus erros. É bom ter alguém a quem culpar, … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 08. “Agnus Dei” (1635-1640), Francisco de Zurbarán

OBRAS INQUIETAS 07. “Casal” (1986), de Montserrat Gudiol

07. “Casal” (1986), de Montserrat Gudiol Todos nós já estivemos nessa situação, mas preferimos esquecer: em meio ao mais absoluto desespero. Tão atordoados que sequer conseguimos esboçar palavras; tão atônitos que não conseguimos nos mexer, cada músculo do corpo imerso no … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 07. “Casal” (1986), de Montserrat Gudiol

OBRAS INQUIETAS 05. “O questionador da esfinge” (1863), de Elihu Vedder

“O questionador da esfinge” (1863) – Elihu Vedder A caminhada se estende por muitos anos. Os pés do viajante ressentem-se de feridas mal saradas, de pedras sorrateiras, das terras quentes de muitos países. Ele andou por tanto tempo que esqueceu … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 05. “O questionador da esfinge” (1863), de Elihu Vedder