OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘Transição de Fase’ de Lourival Cuquinha

As obras de Lourival Cuquinha da série Transição de Fase são frequentemente compostas, ao menos parcialmente, por dinheiro – de verdade. Podem ser reais, libras, dólares, pesos, francos suíços… Além de trabalhar a questão do fluxo de capitais e do … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘Transição de Fase’ de Lourival Cuquinha

O que é arte abstrata? Abstração lírica X abstração geométrica

Arte abstrata pode ser um negócio complicado. Ela tem várias alcunhas: arte abstrata, abstração, abstracionismo. Tem gente que acha que nem parece “arte de verdade”, que “meu sobrinho de 5 anos faz igual”, ou ainda que é algo sem significado, … Continuar lendo O que é arte abstrata? Abstração lírica X abstração geométrica

OBRA DE ARTE DA SEMANA: A diversidade na série ‘Dulceria’ de Crystal Galindo

Conheci o trabalho da artista mexicana Crystal Galindo enquanto navegava pelo Instagram e me apaixonei instantaneamente pelas pinturas da série Dulceria. Seu trabalho da artista já era bastante focado na diversidade, tanto de corpos, quanto da representação das ditas xicanas … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: A diversidade na série ‘Dulceria’ de Crystal Galindo

OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘Ciclotrama 141 (épura)’, de Janaina Mello Landini

Janaina Mello Landini, Ciclotrama 141 (épura), barbante e fita crepe, 20 metros de comprimento, 2019. Site-specific para a exposição Aqui, agora na Zipper Galeria, em São Paulo, Brasil. A obra Ciclotrama 141 (épura) – um trabalho site specific, ou seja, … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘Ciclotrama 141 (épura)’, de Janaina Mello Landini

OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘A Impossibilidade Física da Morte na Mente de Alguém Vivo’, de Damien Hirst

Damien Hirst, The Physical Impossibility of Death in the Mind of Someone Living (A Impossibilidade Física da Morte na Mente de Alguém Vivo), vidro, aço pintado, silicone, monofilamento, tubarão e solução de formaldeído, 217 x 542 x 180 cm, 1991. … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘A Impossibilidade Física da Morte na Mente de Alguém Vivo’, de Damien Hirst