Pênis não usa roupa

Numa manhã, ao despertar de sonhos inquietantes, Bruno Marin deu por si transformado num gigantesco pênis. Doente, roliço e rosa, sentia as pessoas tocarem sua cabeça sem permissão, lamberem-no e chuparem-no. Cresceu, diminuiu, afinou de tanto o esfregarem em tudo quanto é lugar e, por fim, murchou.

— Doutora, vê o que acontece…

— Realmente, ocorreu um encolhimento aqui – analisou enquanto acariciava-lhe a glande.

— Sim, eu realmente murchei… Mas… não é isso… Consegue notar que estou roliço e rosa?

Ao notar a obviedade, a doutora replicou, com inexplicável naturalidade:

— Notei. Bom, pode ser uma virose.

— Virose, doutora? Tem certeza?

Então, ela, sentando-se com um prontuário em mãos, preparou-se para anotar:

— Quando os sintomas começaram, Bruno?

— No trem, às sete horas da manhã, uns atropelavam os outros em busca de um assento vazio. Eu, apoiado nos ferros, senti algo tocar minhas costas. Como não pude virar e ver o que era, continuei parado. “Bela cabeça”, uma voz disse. “Como é?”, eu perguntei. Continuei sem olhar. “Eu disse… bela cabeça! Quero dizer, que cabeção!”. Deu-me uma apalpadela e riu. Minhas duas bolsas ficavam vermelhas a medida em que a moça continuava as apalpando.

— Sim, prossiga. – gesticulou a doutora com as mãos.

— “Que roliço! E grande! E rosa… Que grande roliço rosa!”. Eu não estava ouvindo aquilo. Quer dizer, preferia pensar que não estava ouvindo, que não era para mim. “Minha senhora, está falando comigo?”, perguntei. “Não se faça de tolo… Está um frio danado”, respondeu. “Tolo, frio?”. “Sim… Não vê que está frio? E você está pedindo… Está pedindo mesmo… Aí… em pé… todo descoberto… Roliço… Rosa… Está pedindo”. Foi aí que eu descobri que eu estava roliço e rosa.

— Pedindo? Pedindo o quê, exatamente? — perguntou a doutora.

— “Pedindo o quê, minha senhora?”, questionei. Ela só se contentou em responder: “Você sabe”. Os passageiros me olhavam e trocavam comentários e risadas. “Devia é se dar o valor”, atreveu-se a dizer uma outra passageira, “Você não passa de um pênis nu”.

Mordendo o topo da caneta, a doutora pediu:

— Certo. Continue…

— Prestei queixa na polícia. “O senhor tem que tomar mais cuidado com o fato de ser roliço e rosa”, orientou a policial. “Leve sempre um spray de pimenta e uma roupa adequada”. Aí eu pensei: cara, eu sou um pênis, não uso roupa.

— Bruno, essa história não faz sentido algum. Acredito que tenha procurado a especialização errada.

— Mas estou dizendo a verdade, doutora!

Ela levantou-se, caminhou até à frente de sua mesa e se sentou, ali mesmo. Com um tom irônico:

— Olha, não precisa ter vergonha, aqui é tudo confidencial…

— Não entendi.

— Pode desabafar, Bruno.

— Desabafar?

— Você está triste por que brochou, não é?

— Brochei?

— Isso é natural, acontece… — explicou a doutora.

— Eu não brochei! As pessoas estão me julgando pelo o que eu sou… Você entende isso? Só porque sou roliço e rosa agora mereço ser abusado no trem?!

Em tom de julgamento, a doutora passou dos limites:

— Você acha, então, que se tornou um objeto sexual? É isso? Fique calmo, receitaria uma pílula azul que…

— Não vou ficar calmo porra nenhuma! Você é surda? Ouviu o que eu disse, doutora?

— Mas que palavras são essas, Bruno! Parece que está num puteiro… Eu não vou admitir este tom comigo.

— Eu falo do jeito que eu quiser nesse caralho e você não vai me impedir… Eu não sou um consolo de borracha que pode ser enfiado na xota de qualquer uma não… Eu sou um ser peniano, mereço meus direitos. Um ser peniano digno!

— O que é isso, Bruno?! Quer dizer que perdeu a compostura perante a sociedade?!

Se pudesse murchar mais, com certeza Bruno Peniano Marin teria murchado nesta hora, mas só encolheu-se o quanto pôde.

— Perdão…

A doutora, natural, balançou a cabeça negativamente e fez uma ligação:

— Ele não está funcionando… Ainda está se queixando da sociedade. — sussurrou.

Bruno Peniano Marin esperava ansiosamente por um laudo médico.

— Devemos esfregá-lo até sair todo o líquido? — questionou. — Perfeito… Tudo bem… Cristalino… Ok.

A doutora desligou, cruzou as mãos e, com um olhar sereno, disse:

— Bruno, realizaremos um procedimento de masturbação para consertá-lo.

— Vai doer?

— Um pouco. Enquanto se prepara, buscarei roupas adequadas para você.

Então, num momento de reflexão, Bruno Peniano Marin concluiu:

“Porra! Eu sou um pênis, e pênis não usa roupa!”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s