Feminismo: do adormecimento dos anos 50 à revolta dos 60

O ano de 1939 foi marcado pelo início da segunda Guerra Mundial que veio trazer profundas alterações econômicas e sociais. É de se destacar o envio de grande número de homens para as frentes de batalha e com isso a lacuna na mão de obra e na vida social nas cidades em que vigorava um sistema patriarcal. Ou seja, foi a necessidade nascida num contexto de guerra que enviou em força as mulheres para o mercado de trabalho e para assumir o comando financeira das famílias.

A guerra chega ao fim em 1945, o que mais uma vez vem transformar drasticamente a estrutura e comportamento social. Nos Estados Unidos inicia-se a “era dourada”. É só falar em anos 50 que nos vem logo à cabeça a imagem da mulher dona de casa, dedicada aos filhos e ao marido, que se empolga diante das inovações tecnológicas que vêm trazer para dentro de seu lar incríveis eletrodomésticos, sempre com seu vestido bonito, sua maquiagem impecável e seu cabelo muito bem arrumado, nunca deixa de lado também o seu carinhoso sorriso.

No entanto, é de se questionar como que todos os anos em que as mulheres estiveram em peso no mercado de trabalho foram assim tão facilmente substituídos por uma posição tão submissa e reclusa ao contexto familiar. A verdade é que, apesar do fim da Segunda Guerra, outro conflito nasce, a Guerra Fria, em que dois blocos tentam convencer o mundo que sua ideologia é a melhor. Nunca foi contestada e escondida a grande propaganda estatal feita pelo bloco soviético para convencer a sua própria população de que o seu modelo era o melhor, mas não podemos ignorar que os Estados Unidos usaram do mesmo artifício. Assim, as mulheres foram convencidas de que o feminismo era algo indesejável, na medida em que levaria à desmoralização da mulher e à destruição da família tradicional, um dos pilares da sociedade estadunidense. O mesmo seria dizer: a destruição da família seria apenas o começo da destruição da bela e harmônica sociedade capitalista. Nesta perspectiva verificou-se um grande retrocesso nas conquistas femininas.

Mas não devemos esquecer que o período de guerra deixou marcas e que com o tempo as mulheres vieram a se cansar e se revoltar com a organização social até então vigente. Em 1949 Simone de Beauvoir lança “O Segundo Sexo”, que veio refletir um sentimento e frustração geral da fração feminina da sociedade. As mulheres se sentiam presas ao estilo de vida pré determinado, tendo uma existência dedicada à família e sendo suas ambições e desejos próprios totalmente ofuscados e até mesmo aniquilados. A vontade de ir além e de ter o poder de escolha falou mais forte, inicia-se assim a segunda grande fase do feminismo.

Diferente do que aconteceu na primeira fase do feminismo – iniciada no século XIX – em que o protagonista das reivindicações era o sufrágio feminino, agora a luta foca-se em questões mais sociais de igualdade e na tentativa de equiparar os salários femininos aos masculinos. Assim o feminismo vai se consolidado enquanto movimento político, além de integrar no seu núcleo muitas outras de lutas civis e sair em defesa de outras minorias.

2 comentários sobre “Feminismo: do adormecimento dos anos 50 à revolta dos 60

  1. Sou completamente a favor das mulheres trabalharem para contribuir com a renda familiar, etc.Sobre serem respeitadas é óbvio que isso independe do movimento feminista, devem ser respeitadas por serem um ser vivo, um ser humano!

    Curtir

Deixe uma resposta para Carolina Holz Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s