Dica de leitura: Água Viva, de Clarice Lispector

A novela Água Viva, publicada em 1973, é uma narrativa bastante singular que brinca com a experiência criativa. Mesclando a literatura e a pintura, a narradora se dirige a um interlocutor masculino, relatando o processo de escrita, que está descobrindo, bem como seus pontos de intersecção com as artes visuais.

Paralelo a esse movimento de integração entre as artes, a narradora revela aos poucos e de maneira sutil e muito poética os seus sentimentos em relação ao interlocutor, assim como suas impressões sobre a vida, a morte, a condição feminina e a solidão, cujas reflexões são constantes na obra de Clarice Lispector.

Abaixo, temos alguns excertos de Água Viva:

“E doidamente me apodero dos desvãos de mim, meus desvarios me sufocam de tanta beleza. Eu sou antes, eu sou quase, eu sou nunca.” (P.18)

“Então escrever é o modo de quem tem a palavra como isca: a palavra pescando o que não é palavra.” (P.21)

“Nada existe de mais difícil do que se entregar ao instante. Esta dificuldade é dor humana. É nossa. Eu me entrego em palavras e me entrego enquanto pinto.” (P.49)

“Estou cansada. Meu cansaço vem muito porque sou uma pessoa extremamente ocupada: tomo conta do mundo.” (P.60)

 

Referências:

LISPECTOR, C. Água Viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

Referência da imagem:

http://cyprus-mail.com/2017/04/18/ode-brazilian-writing/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s