Mulheres e seu poder de encanto na literatura

Por mais incrível que pareça diversos são os comentários nos dias de hoje acerca da capacidade da mulher e de seu desempenho em certas atividades; comentários estes comumente perpetrados de uma forma um tanto quanto equivocados, e, frequentemente, realizados em detrimento de posições políticas. O fato é que não há necessidade de uma mulher querer se impor em sua área de trabalho por meio de argumentos políticos e afins, mas sim, por sua competência, talento e dedicação, ou, simplesmente, através de seu mérito.

No mundo dos romances, aventuras, ficções, dramas, poesias e crônicas, poucas são as mulheres que ganharam um reconhecimento límpido. A mulher escritora encara o personagem do conto de fadas, do drama policial, da ficção bruxa, e ganha o público com o mais belo e puro poder das palavras.

Assim, partimos falando de uma das mais célebres escritoras brasileiras que revolucionou o gênero literário de contos no Brasil, Lygia Fagundes Telles.Lygia publicou seu primeiro livro, “O Porão e Sobrado” – uma coletânea de 12 contos-, em 1938. Dois anos depois, inicia seus estudos em direito, na Universidade de Direito do Largo de São Francisco em São Paulo, onde conheceu figuras ímpares nas rodas literárias que ocorriam aos redores da Universidade. Três anos após a conclusão do curso de direito, em 1946, Lygia publica seu terceiro livro de contos, “O Cacto Vermelho”, cuja obra recebeu o prêmio Afonso Arinos da Academia Brasileira de Letras.

Em 1954, lançou uma de suas principais obras, “A Ciranda de Pedra”, que posteriormente seria utilizado como base de duas telenovelas da Rede Globo de Televisão, respectivamente em 1981 e 2008.No entanto, Lygia somente obteve seu sucesso literário internacional no ano de 1970, com sua espetaculosa obra “Antes do Baile Verde”, no ano de 1970, onde fora vencedora do Grande Prêmio Internacional Feminino para Estrangeiros na França. E sua carreira meteórica mal começava, com a publicação de seu romance de grande renome, “As Meninas”, em 1973, ganhou diversos prêmios brasileiros, e, inclusive, teve a respectiva obra publicada em Nova Iorque na década de 80.

Uma de suas últimas obras, publicada em 1989, “As Horas Nuas”, relatava os dias de glória de uma grande atriz, até os seus sentimentos relacionados à solidão e envelhecimento.

No ano de 1985, foi eleita para a Academia Brasileira de Letras, tomando posse após dois anos, e tornando-se assim, a terceira mulher a entrar para a Academia. Como se não bastasse, Lygia, locupletando a figura da mulher brasileira, participando assim, do Salão do Livro da França. A escritora também fora agraciada com o Prêmio Jabuti, com o prêmio Golfinho de Ouro e o prêmio da Associação Paulista de Arte pela obra “Invenção e Memória”. Assim, quatro anos depois tais conquistas acabam por receber um dos progenitores prêmios da literatura portuguesa, o Camões.

Ainda arrazoando sobre escritoras das terras tupiniquins, temos a querida, e eterna amada Anna Lins dos Guimarães Peixoto Bretas, ou para toda uma nação, Cora Coralina, que somente teve sua primeira obra publicada aos 76 anos de idade – “Poemas dos Becos e Histórias de Goiás”.

Cora demonstrou sua paixão pela literatura logo aos 14 anos de idade, ao escrever seus primeiros textos, momento em que passou a publicá-los em jornais da cidade de Goiânia. No ano de 1906, publica uma de suas mais importantes crônicas, “A Tua Volta”. No mesmo ano, começa a frequentar clubes literários de Goiás, a partir disto, começou a escrever para o jornal “A Rosa”.

Com sua aptidão singular e inspiradora, inovou um dos mais doces gêneros literários, com sua simplicidade e delicadeza, fazendo com que ninguém mais almejasse o encantamento de seus poemas. Cora recebeu título de Dr. Honoris Causa no ano de 1983, e no mesmo ano, fora merecedora do posto de intelectual do ano, sendo por assim, contemplada com o Prêmio Juca da União Brasileira dos Escritores.

Não obstante, devemos dar um pouquinho de atenção para nossas almejadas escritoras da literatura estrangeira. Elas que possuem o dom da fantasia, do mágico, do místico, nos fazem viajar em contos de fadas, atravessando velhos universos pagãos para que cheguemos ao mundo dos bruxos.

Assim, temos Marion Zimmer Bradley. mas, Infelizmente, muitos de nós ao ouvir seu nome não conseguimos associá-lo a “As Brumas de Avalon” – uma das maiores obras literárias, que nos faz viajar ao universo druídico da Bretanha durante a vida do Rei Arthur, a partir de outro ponto de vista até então desconhecido, o religioso místico pagão. Sua obra é dividida em quatro tomos, tendo como principais personagens três mulheres: Guinevere, Morgana e Morgause.

Marion iniciou sua carreira de escritora aos 16 anos, quando ganhou de sua mãe sua primeira máquina de escrever, tendo que submeter-se à elaboração de romances sensacionalistas para que pudesse sobreviver da tão nobre profissão. No entanto, mal imaginava que o ápice de sua carreira se daria aos quase 50 anos, em 1979, quando publicou “As Brumas de Avalon”. Tal obra causou um impacto meteórico, permanecendo durante três meses seguidos na lista dos best-sellers do The New York Times.

Por fim, não menos importante – muito pelo contrário – temos a escritora tida como ídolo teen dos anos 2000, J.K. Rowling. A britânica mais querida do mundo, com escassas exceções, fez parte da infância e da adolescência dos conhecidos “bebês dos anos 90”, com a publicação de sete romances, que revolucionariam não somente sua vida pessoal, como todo um gênero literário e um público apaixonado por toda magia, suspense, romance e mistério de Harry Potter.

Joanne é um exemplo intenso de superação, porquanto mesmo vivendo alguns dos anos mais conturbados de sua vida – a perda de sua mãe, seu divórcio – terminou o primeiro livro da saga que transformaria sua vida, “Harry Potter e a Pedra Filosofal”. Diversas editoras recusaram seu pedido de publicação, alegando que uma obra de ficção para crianças e adolescentes que viajava pelo universo bruxo jamais traria qualquer indício de sucesso. Convenhamos que não fora nada fácil ouvir um não de 12 editoras. Contudo, seu êxito se deu graças à filha do dono da editora Bloomsbury, que ao ler o manuscrito do livro, fez com que seu pai o publicasse. Logo após o estrondoso sucesso de sua obra, fora convidada pela editora Scottish Arts Council para dar continuidade à série, que alcançou sete volumes.

No ano de 1998, a renomada empresa do ramo cinéfilo, Warner Bros., comprou os direitos autorais do livro, para que então fosse realizada a adaptação de seus livros para o cinema. Hoje em dia, a marca “Harry Potter”, encontra-se avaliada na casa dos 15 bilhões de dólares.

Fontes/Fontes das imagens:

http://www.lpm.com.br/site/default.asp?TroncoID=805134&SecaoID=948848&SubsecaoID=0&Template=../livros/layout_autor.asp&AutorID=637183

http://www.ims.com.br/ims/explore/artista/lygia-fagundes-telles

https://pensador.uol.com.br/autor/cora_coralina/

https://pensador.uol.com.br/autor/cora_coralina/biografia/

https://pensador.uol.com.br/autor/j_k_rowling/biografia/

http://www.infoescola.com/biografias/j-k-rowling/

http://heiime.blogspot.com.br/2013/06/a-obra-de-marion-zimmer-bradley.html#.WMDOdvnyvIU

http://revistatrip.uol.com.br/tpm/lygia-fagundes-telles

http://escolaeducacao.com.br/melhores-poemas-de-cora-coralina/

http://bibliothequecder.unblog.fr/2015/11/22/qui-est-marion-zimmer-bradley/

http://observatoriodadiversidade.org.br/site/bibliotecas-e-orgaos-publicos-brasileiros-firmam-parceria-para-democratizar-seus-acervos/

http://escolaeducacao.com.br/melhores-poemas-de-cora-coralina/

https://www.mensagenscomamor.com/marion-zimmer-bradley

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s