A obra-prima “Onde os fracos não têm vez” e a política brasileira

(Esse é um texto muito, muito sintético de uma idéia que tive esses tempos pensando sobre os irmãos Coen. Usando a terminologia do cinema, é o argumento para eu desenvolver mais adiante.)

***

Onde os fracos não têm vez (2007) é certamente um dos grandes filmes da última década americana. Desde Gosto de sangue (1984), os diretores Joel e Ethan Coen vêm usando do bizarro, do grotesco, do ridículo, para mostrar a violência da sociedade. Com um estilo muito singular (interessante ver que esse estilo acompanha-os nos 17 longas até Ave, César!, 2016), encontramos em Javier Bardem (da foto) talvez o exemplo que concentra o que até ali foi construído. É através do riso de seu cabelo, um riso meio esquisito, meio constrangedor, misturado a certo medo pela grande atuação do ator, que nos deparamos com a violência (que é também tema do filme) ridícula da sociedade.

O enredo de Onde os fracos… é também meio bagunçado: sem querer um homem encontra uma maleta com dinheiro, outros também estão através do dinheiro, e o resultado é um círculo de violência, sempre tratado como meio absurdo, e vemos tudo isso de maneira opaca, como uma nuvem de areia daquela geografia clássica do sul dos Estados Unidos a nossa frente, sempre sem transparência. A estrutura dos filmes dos irmãos Coen, me parece, trabalha com a violência pelo riso tenso, pelo ridículo que às vezes soa inofensivo, algo absurdo.

É possível que essa estrutura seja semelhante a algumas situações que enfrentamos hoje em dia no Brasil. Certo tom de absurdo tem estado presente na nossa rotina através de declarações e movimentos de políticos e gente de cima sem noção (ou melhor, com total noção do que fazem, com objetivo bem claro que é a perpetuação das classes sociais). Alguns exemplos: a indicação de Cristiane Brasil ao Ministério do Trabalho, mesmo que ela tenha sido condenada em uma ação trabalhista; Marchezan Jr., o prefeito-playboy de Porto Alegre, dizer que “é muito inadequado que o aluno se alimente mais de uma vez”, referindo-se à merenda escolar; o secretário de Educação do RS dizer lamentar não ter fechado mais escolas.

Os irmãos Coen parecem ter identificado um dos sintomas do capitalismo em crise contínua. Essa é uma violência que além de agredir, zomba da população. A resposta no cinema é a ironia, a nossa é na rua.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s