Dica de leitura: Romântico visceral sob o céu fragmentário, de Andrei Ribas

O título leva o leitor desavisado a crer que está diante de poemas exacerbadamente românticos, impressão essa que já nas primeiras páginas será desfeita. Os versos de Andrei Ribas estão impregnados de uma modernidade estrondosa, que só é interrompida pelo silêncio de um tédio aterrorizante.

Há em sua poesia uma forte tensão sexual que em diversos momentos explode em imagens brutais, como nos poemas “Estupro”, “Drinks & cigarrettes” e “Antropófago”, porém, ao longo do livro encontramos um eu-lírico em conformidade com seu tempo, que incorpora o caos, os vícios e o vazio de sua época, transformando suas noites fragmentárias numa poesia eletrizante, como veremos a seguir.


Mãodupla

Você pode
Ser o que quiser
E mesmo assim
Será só o que
Querem

Qual a crua liberdade:
A de açoitar conselhos/mandamentos
ou propagandear sociais vitórias?

Quem sabe o que luta
Sabe o que perde

Nenhuma escolha é nossa própria

Pra não dizer que não falei

Meu poema não foi
O preferido
O mais comentado
Quiçá vendido

Não foi protagonista nem
Ganhou estatueta
Beijou a artista
Legou riqueza

Não conseguiu dar entrevista pro Jô
Nem entrar no BBB, sequer se inscreveu,
Correu prum ônibus que não parou
Molhou a orquídea cuja folhagem morreu

Foi daqueles
Que a pessoa
Mira e esquece
Pensa e se aborrece

Só estorva e quase sempre diz não.


Andrei Ribas

Referências:

RIBAS, A. Romântico visceral sob o céu fragmentário. Porto Alegre: Bestiário e Artes & Ecos, 2017.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s