Dica de leitura: ‘Nenhum amor igual ao meu’, de Álvaro Santi

A maior proeza da obra mais recente do premiado poeta Álvaro Santi, Nenhum amor igual ao meu (2019), é conseguir mostrar o encanto que vive no desencanto.

Dentro de um cenário povoado por imagens de um passado melancólico e de um futuro inóspito, o eu-lírico se move buscando perder-se. Essa é a sua maior nostalgia.

Nenhum amor igual ao meu foi publicado pela editora Patuá, lançado em Porto Alegre, em julho deste ano.

Sobre o autor: 

Álvaro Santi é natural de Lajeado, Rio Grande do Sul.  Além de poeta, é também Técnico em Cultura da Prefeitura de Porto Alegre, bacharel em Música e Mestre em Letras (UFRGS) e Especialista em Gestão e Política Cultural (Univ. Girona-Espanha/Itaú Cultural). Entre outras de suas obras estão: Luta+vã (Libretos), premiado como Livro do Ano pela Associação Gaúcha de Escritores; A aposta dos deuses (Independente, 2007); Dança das Palavras (IEL-RS, 1998), O primeiro anel (SMC-Porto Alegre, 1996) e Viagens de uma caneta por meus estados de espírito (UFRGS, 1992), seu primeiro livro, premiado com o Troféu Armindo Trevisan. Como compositor, intérprete e instrumentista, lançou em 2011 o CD Trem da Utopia.

Adquira o livro em: https://www.editorapatua.com.br/produto/93676/nenhum-amor-igual-ao-meu-de-alvaro-santi

Abaixo, o poema que dá nome ao livro:

Nenhum amor igual ao meu

Não me colem etiquetas
não me façam solfejar
não me peçam pra salvar o que já foi ao fundo
não haverá nenhum amor igual ao meu

Não procurem entrelinhas no que eu disse
estou aqui, se ainda houver perguntas
responderei conforme o vento sopre
Não me tragam jornais:
eu por mim já não suporto um par de olhos

Deixem-me em paz, mesmo aos gritos
deixem-me abraçado ao ar em queda livre
não há libertação possível fora disto
e mesmo quando esteja exposto
esqueçam-me na jaula com meu prêmio

Esqueçam-me no asfalto atravessado
desviem todo o trânsito daqui,
o cotidiano horror. A mãe que leva
os filhos à escola não merece
ver tal coisa. O guarda, o funcionário
não merecem; o mendigo, o palhaço
o cobrador não querem ver

Não existe a chama que não arde
não há fogo sem queimar-se a lenha
na paz me esqueço da felicidade
felizes pra sempre morreram de tédio
os príncipes de antigamente
Não, nenhum amor igual ao meu terás
embora o Círculo Polar te adorne os tornozelos
e cruzes o Equador a cada mês
não vais achar na rota do Oriente
sobre um camelo, ao pé da cordilheira
em meio à tempestade no deserto
(com que trena poderás medir o oceano?)

Nenhum amor igual ao meu virá depois
em vinte ou trinta anos não virá
em dois ou três milênios
de qualquer planeta, livro ou peito

Amor igual ao meu não vais achar nas fotos do satélite
nem mesmo se buscares na Internet
por todas as palavras correlatas

Nenhum amor igual ao meu terá existido
nenhum sob este mar ou sobre a terra
se ainda estou de pé e não submerso
é por saber que um outro não virá
após o meu desaparecimento

Escavações futuras não serão
capazes de indicar o ponto exato
em que peguei um dia a tua mão
no extinto coração de Porto Alegre

Camadas de areia e argila
despojos humanos e lama do rio
já terão recoberto esse instante
fração de um dia dois de maio, ao fim da tarde

E enquanto gire a terra e ao longo do teu rastro
embora quente o sol não possa
calcinar as flores do deserto
jamais da mesma areia brotará um amor
embora tosco, igual ao que te dei

E mesmo que o programa espacial da NASA
te leve a mundos sempre mais distantes
nos rarefeitos ares
que acaso respirares
não haverá gasoso amor algum

Não vai haver igual ao meu nenhum amor
em província longínqua
em outra língua ou praia ou discoteca

Amor nenhum ao meu igual existirá
e os quatro ventos não trarão notícia alguma
de algum amor igual ao meu nalgum lugar
capaz de tanto suportar o esquecimento

Nenhum amor, nenhuma frase a fogo
em teu passado foi gravada um dia
com a suavidade do que eu disse em teu ouvido
achaste sim, amores mil, no vasto mundo
igual ao meu porém nenhum jamais.

 

Referências da imagem:

Álvaro Santi lança, “Nenhum amor igual ao meu”, na Casa da Música

 

Comprando qualquer produto na Amazon através desse link, você ajuda a manter o Artrianon e não paga nada a mais por isso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s