Nietzsche e a metafísica da arte

Ah, aquela voz que é dada ao mito… O restabelecimento deste como forma de esclarecimento. A tragédia que se faz como tal apenas enquanto levado em conta o animalesco, o destrutivo, o imperfeito, o caos, o assimétrico. Razão e emoção devem ser uníssonas, pois assim o são enquanto arte, enquanto música, enquanto poesia, enquanto nós, seres humanos. Somente assim, apolíneo e dionisíaco, compreende-se e se estabelece, de fato, o nascimento da tragédia.

No primeiro livro de Nietzsche, “O Nascimento da Tragédia”, a preocupação do filósofo se dá para com a metafísica da arte. Em que pese a autocrítica constante na introdução da obra, a qual é justificada por ter o livro se amparado na filosofia de Schopenhauer, autor referencial de Nietzsche até quando da superação dessa primeira fase de sua própria filosofia, o escrito do filósofo toca num ponto importante acerca da interpretação da tragédia.

Na mencionada obra, Nietzsche tece uma certa reconstrução histórica a fim de novamente dizer a tragédia, interpretando de uma maneira própria a cultura grega. A arte e o mito enquanto também formas de conhecimento – para muito além da outrora superação daqueles pela razão. Aliás, a ‘razão’, sedimentada por Sócrates, para Nietzsche, estagnou o campo necessário para a liberdade da arte, da poesia, da criação a partir do caos. Daí a necessidade de se levar em conta, para além da postura apolínea (pautada na razão, na ordem, na lógica), a postura dionisíaca (pautada na ampla liberdade a partir dos instintos, do caos, da desordem).

Nas palavras de Nietzsche, “teremos ganho muito a favor da ciência estética se chegarmos não apenas à intelecção lógica mas à certeza imediata da introvisão de que o contínuo desenvolvimento da arte está ligado à duplicidade do apolíneo e do dionisíaco, da mesma maneira como a procriação depende da dualidade dos sexos, em que a luta é incessante e onde intervêm periódicas reconciliações“. Os impulsos, assim, são necessários para o criativo – condição necessária para a arte. A metafísica da estética, portanto, é o que expõe, num modo próprio, Nietzsche em “O Nascimento da Tragédia”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s