OBRA DE ARTE DA SEMANA: A Tapeçaria de Bayeux ou o Bordado da rainha Matilde

Bordado da rainha Matilde ou Tapeçaria de Bayeux, fios de lã sobre tela de linho cru, 0,50 x 70 m, século XI. Conservada no Centre Guillaume le Conquérant, no Bayeux Museum, em Bayeux, França.

A Tapeçaria de Bayeux ou o Bordado de Matilde é comumente referido como uma espécie de “história em quadrinhos” medieval, com figuras estilizadas acompanhadas de inscrições em latim indicando situações e personagens que contam a história da conquista do trono inglês pelo duque normando Guilherme, o Conquistador. Uma banda central historiada é enquadrada em cima e embaixo por uma borda com motivos iconográficos relacionados às representações centrais. Sua dimensão é impressionante: 70 metros de comprimento por 50 centímetros de altura, divididos em 9 painéis de tamanhos desiguais. Extremamente famosa na França, trata-se, na verdade, não de uma tapeçaria, mas de um bordado: uma tela de linho cru bordada com fios de lã azuis, vermelhos, verdes, pretos e amarelos, tingidos com corantes naturais, usando uma agulha de bronze.

Guillaume le Conquérant, no original francês, era o filho de Roberto, o Magnífico, duque da Normandia, com uma moça que ele teria avistado próxima ao seu Castelo de Falaise, e que, posteriormente, se tornou sua amante, Arlette. Roberto morreu solteiro, sem deixar herdeiros legítimos, e assim, Guilherme recebeu seu título e suas terras, enfrentando a ira dos barões que o consideravam um bastardo. Guilherme ganhou o aposto “o Conquistador” após desembarcar na costa inglesa em 1066.

A história contada é a seguinte: O monarca inglês Eduardo, o Confessor, não possuía herdeiros e teria indicado Guilherme, seu primo, como sucessor e encarregado Haroldo Godwinson, irmão de sua esposa, e, portanto, também pretendente à coroa, de propor a coroa ao duque normando em 1064. Haroldo teria traído Guilherme após jurar fidelidade a ele – uma ofensa bastante grave nos tempos medievais – e assumido a coroa inglesa ele mesmo. Guilherme decide invadir o país e mata Haroldo durante a famosa batalha de Hastings, em 14 de outubro de 1066.

 xvmbe84d508-c397-11e6-bdeb-07c988a4ee63
A coroação do rei Haroldo


Haroldo presta juramente de fidelidade a Guilherme

688px-bayeux_tapestry_scene57_harold_death
HIC HAROLD REX INTERFECTUS EST
“Aqui o rei Haroldo é morto”

A lenda conta que o bordado teria sido inteiramente realizado pela rainha Matilde de Flandres, esposa de Guilherme. Entretanto, os historiadores aceitam que, na verdade, trata-se do fruto do trabalho coletivo de um atelier monástico feminino inglês ou normando.

A obra foi encomendada pelo meio-irmão de Guilherme, Odo de Conteville, bispo de Bayeux, para ser exposta na futura catedral da mesma cidade, consagrada em 1077, onde ficou até a Revolução Francesa. O Bordado de Bayeux deveria, sobretudo, funcionar como uma espécie de propaganda política, valorizando os feitos do grande duque que se tornou rei. Inclusive, é interessante notar ele é representado de maneira próxima à do rei, por suas vestimentas – símbolo distintivo da posição social de cada indivíduo -, mesmo quando ainda era duque e, mostrando, assim, que ele estava destinado a reinar.

800px-odo_bayeux_tapestry
HIC ODO EP[ISCOPU]S BACULU[M] TENENS CONFORTAT PUEROS
“Aqui o bispo Odo, segurando sua maça, encorajando os jovens”

A representação relativamente fiel das vestimentas e objetos torna a obra um importante testemunho histórico de quase mil anos atrás, época da qual não restam tantos fragmentos artísticos e arqueológicos. É possível ter um vislumbre das relações entre pessoas e suas roupas, estudar a tática e os equipamentos militares daquele tempo. Pode-se perceber, por exemplo, a diferença entre os escudos da época, de forma amendoada, com uma das pontas curva e sem identificação pessoal, e os de épocas posteriores, de formato diferente e com brasões e emblemas de seu possessor, além das características dos elmos e armaduras, estas compostas de aros de metal entrelaçados, que se tornaram gradativamente, com o passar do tempo, em placas de metal. A maioria dos personagens representados são homens próximos a Guilherme ou a Haroldo. Somente três mulheres, pertencentes ao sexo que não se ocupa da guerra, aparecem nas 72 cenas bordadas ao longo de seus 70 metros.

tapisserie-vie_quotidienne_01_1028
Construção dos barcos para a invasão

Visitando o Centre Guillaume le Conquérant, é possível perceber que a tela de linho parece inacabada, faltando uma parte na qual, provavelmente, mostraria a coroação de Guilherme, o Conquistador, seu momento de maior glória.

Na Wikipédia é possível apreciar o bordado, que faz parte da Memória do Mundo da UNESCO desde 2007, em sua totalidade deslizando a barra de rolagem por toda sua extensão:

https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Teppich_von_Bayeux.jpg?uselang=fr

Também, um vídeo bem humorado criado por David Newton em 2009, mostra o bordado em movimento, com legendas para as cenas em inglês:

Bibliografia

Pierre BOUET e François NEVEUX “La tapisserie de Bayeux” in Bayeux Museum [Online], consultado em 28/02/2017. http://www.bayeuxmuseum.com/la_tapisserie_de_bayeux.html

Robin CANNONE, “Tapisserie de Bayeux : retour à la cathédrale mais en version numérique” in Le Figaro [Online], consultado em 28/02/2017. http://www.lefigaro.fr/culture/2016/12/18/03004-20161218ARTFIG00007-tapisserie-de-bayeux-retour-a-la-cathedrale-mais-en-version-numerique.php

E.U., « HASTINGS BATAILLE D’ (14 oct. 1066)  », Encyclopædia Universalis [Online], consultado em 28/02/2017. http://www.universalis.fr/encyclopedie/bataille-d-hastings/

Olivier FRÉBOURG, “La Normandie de Guillaume le Conquérant” in Le Figaro [Online], consultado em 28/02/2017. http://www.lefigaro.fr/voyages/2009/04/18/03007-20090418ARTFIG00122–la-normandie-de-guillaume-le-conquerant-.php?redirect_premium

Sophie JOLIVET, S’habiller au Moyen Âge, Éditions Jean-Paul Gisserot, 2013, p. 36-47.

Christophe MOREAU, “Tapisserie de Bayeux” in Encyclopaedia Universalis [Online], consultado em 28/02/2017. http://www.universalis.fr/encyclopedie/tapisserie-de-bayeux/

Fonte das imagens:

Wikipédia/Wikimedia Commons

http://www.bayeuxmuseum.com/la_tapisserie_de_bayeux.html

http://legeekcestchic.eu/un-artiste-a-cree-une-tapisserie-de-bayeux-version-star-wars/tapisserie-de-bayeux-scene-23-harold-prete-serment-a-guillaume/

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s