10 mulheres artistas da Renascença aos dias atuais

Muitos se perguntam – e me perguntam – porque existem menos mulheres artistas do que homens. Na verdade, não existem menos mulheres artistas, mas sim menos mulheres muito famosas, no topo da cadeia alimentar da arte contemporânea. E por quê? Eu acredito que não haja machismo no meio da arte, mas sim que muitas mulheres acabam não alcançando o estrelato, pois, apesar de extremamente talentosas, acabam escolhendo se dedicar à maternidade. Não que não seja possível ser artista e mãe – algumas residências artísticas até mesmo permitem que as mães levem seus filhos – mas para uma carreira de sucesso extremo, repleta de viagens pelo mundo para exposições e eventos, é claro que ter um filho significa muitos desafios e escolhas difíceis. Um artista pai, já é uma história completamente diferente, afinal, mãe é mãe. A criança nasce da mulher e é dependente dela durante muito tempo. A maioria chama a mãe quando tem um problema, não o pai.

A grandiosa Marina Abramović declarou algo parecido em uma entrevista ao Tagesspiegel. Ela disse não ter tido filhos porque tê-los significaria dividir seu corpo, objeto de sua arte, que é a performance. Ela se considera livre para poder rodar o globo executando suas performances, pois não tem marido ou filhos.

No passado, existia ainda mais dificuldade para as mulheres que desejavam seguir o caminho da criação, pois, além de a sociedade ser completamente machista, com a mulher tendo seu papel enclausurada no lar, sem trabalhar, haviam outras complicações. Em algumas épocas, escolas de arte que aceitavam garotas eram poucas, e as que aceitavam cobravam mais delas do que deles. Também, seria mal visto uma artista desenhar a partir de um modelo nu masculino, importante para o aprendizado da anatomia do homem, além de ser também um problema ficar horas a fio sozinha com um homem que deveria ser retratado, por exemplo.

Apesar disso tudo, sempre existiram algumas grandes mulheres que conseguiram abandonar as convenções, driblá-las, e ter uma belíssima carreira com a produção de obras primas, sendo cada vez mais reconhecidas e resgatadas pela história da arte atual. As apresentadas a seguir são somente uma pequena amostra do talento feminino na arte.


Sofonisba Anguissola (1532 – 1625, Itália)

Sofonisba Anguissola foi uma das primeiras mulheres a conseguir algum destaque na pintura europeia, tendo até mesmo feito uma visita à corte espanhola. De família nobre, estudou com o maneirista Bernardino Campo, e se destacou por seus belos retratos.


Sofonisba Anguissola, Retrato de Bianca Ponzoni Anguisola, mãe da artista, 1557.


Sofonisba Anguissola, Retrato das Infantas Isabella Clara Eugenia e Catalina Micaela, 1570.


Sofonisba Anguissola , As irmãs da pintora Lucia, Minerva e Europa Anguissola jogando xadrez, 1555.

Compre livros sobre Sofonisba Anguissola aqui.


Artemisia Gentileschi
(1593 – 1656, Itália)

Uma das artistas mais importantes de sua época, Artemisia teve uma vida bastante tumultuada. Filha do pintor Orazio Gentilhesci, estudou com seu pai e posteriormente frequentou o atelier de Agostino Tassi, pelo qual ela foi estuprada. Depois de um longo processo contra seu mestre, ele foi exilado de Roma e seu pai arranjou um casamento com o modesto artista Pierantonio Stiattesi para reparar sua honra. Artemisia teve duas filhas e conseguiu bastante sucesso durante algum tempo em Florença, sendo a primeira mulher a ser admitida na Academia de Belas-Artes de Florença. Depois de enfrentar problemas financeiros, mudou-se para Roma sozinha com suas crianças, e em seguida, para Nápoles.

As dificuldades vividas fizeram com que temas mitológicos mostrando mulheres fortes, vítimas de homens, suicidas e heroínas fossem recorrentes em sua pintura de dramática, com fortes contrastes de cores violentas, repleta de influências caravagescas.


Artemisia Gentileschi, Judite decapitando Holofernes, óleo sobre tela, 158,8 x 125,5 cm, 1611-1612.


Artemisia Gentileschi, Susana e os anciões, óleo sobre tela, 170 x 119cm, 1610.


Artemisia Gentileschi, Judite e sua serva, óleo sobre tela 114 x 93,5 cm, 1612-1613.

Compre livros sobre Artemisia Gentileschi aqui.


Élisabeth Vigée Le Brun
(1755 – 1842, França)

Élisabeth Vigée Le Brun foi uma das retratistas mais célebres e talentosas de seu tempo, tendo se tornado a pintora oficial da rainha da França Maria Antonieta. Entretanto, com a queda da monarquia durante a Revolução Francesa, ela se fugiu da França e passou por diversos países da Europa, da mesma maneira que nobres e outras pessoas próximas à realeza francesa que se sentiam ameaçados pelo novo regime. Como eles, ela acompanhou as idas e vindas da república, império e monarquia na França, terminando sua vida novamente na França, infelizmente, na miséria.


Élisabeth Vigée Le Brun, Retrato de Maria Antonieta em vestido de musselina, 1783. A pintura fez escândalo por representar a rainha com uma espécie de roupa de baixo usada sob os vestidos na época.


Élisabeth Vigée Le Brun, Retrato de Maria Antonieta, dito “da rosa”, 1783.

Compre livros sobre Élisabeth Vigée Le Brun aqui.


Sonia Delaunay
(1885-1979, Ucrânia)

Sonia Delaunay explorou junto ao seu marido, Robert Delaunay, o tema da cor pura e do movimento das cores simultâneas, criando um tipo de pintura abstrata definida por Apollinaire como orfismo. Posteriormente, o casal desenvolveu o mesmo princípio usando tecidos e luzes.


Sonia Delaunay, Prismes électriques, óleo sobre tela, 250 x 250 cm, 1914.


Sonia Delaunay, Rythme, óleo sobre tela, 182 x 149 cm, 1938.

Compre livros sobre Sonia Delaunay aqui.


Tamara de Lempicka
(1898 – 1980, Polônia)

Famosa por sua beleza, Tamara de Lempicka, abertamente bissexual, teve uma vida boêmia em Paris no início do século XX, ao lado de outros grandes nomes das artes e das letras. Sua pintura art déco se destaca pelos belos retratos de belas mulheres em cores vivas.


Tamara de Lempicka, Jeune fille en vert, óleo sobre, 61,5 x 45,5 cm, 1927 – 1930.


Tamara de Lempicka, Autorretrato no Bugatti verde.

Compre livros sobre Tamara de Lempicka aqui.


Frida Kahlo
(1907-1954, México)

Apesar de não se considerar feminista, Frida é uma das grandes inspirações para muitas feministas. Ela pintou a si mesma como mulher, representando seu cotidiano e emoções. Também se representou como homem em um de seus autorretratos.


Frida Kahlo, Autorretrato com colar de espinhos e beija-flor, óleo sobre tela, 61 x 47 cm, 1940.


Frida Kahlo, As duas Fridas, óleo sobre tela, 1,73 x 1,73 cm,1939.


Frida Kahlo, A coluna partida, óleo sobre tela, 1944.

Compre livros sobre Frida Kahlo aqui.


Judy Chicago
(1939, EUA).

Judy Chicago é uma dos destaques da arte feminista. Uma de suas obras mas icônicas é a The Dinner Party, na qual foram colocados 39 lugares em uma mesa triangular; cada um deles representando uma mulher histórica ou mítica e 38 dos pratos possui uma vagina em estilo único colocada dentro dele. A ideia é fazer com que as mulheres conheçam as histórias e lendas de outras mulheres.


Judy Chicago, The Dinner Party, diversos materiais, 1979.

Compre livros sobre Judy Chicago aqui.


Marina Abramović
(1946, Sérvia)

Considerada como a “avó da performance”, a artista apresenta performances de um auto controle extremo, que exploram os limites do corpo e da mente, além relação do público com o artista.


Marina Abramović, The Artist is Present, 2010, Museum of Modern Art.


Marina Abramović, Imponderabilia (With Ulay) (1977) Performance, 90 Min., Galleria Comunale D’arte Moderna, Bologna. Nessa performance, Marina e seu parceiro na época, Ulay, ficavam nus e o espectador tinha um pequeno espaço para passar entre eles, causando assim, a sensação de desconforto.

Marina já realizou atos artísticos bastante perigosos, tais como estar no meio de uma estrela em chamas ou ainda permitir que o público fizesse com ela o que bem entendesse, sem que ela pudesse revidar ou se mexer. Segundo ela, “A diferença entre teatro e performance é que no teatro o sangue é ketchup, e na performance, é real”.

O documentário The Artist is Present A Artista está Presente – foi gravado na ocasião da preparação de sua exposição de mesmo nome no MoMA, em Nova Iorque, e esclarece vários pontos interessantes sobre a trajetória da artista e sua importância na construção de sua persona atual.

https://www.youtube.com/watch?v=6FOfFW7AjLc&t=3902s&list=WL&index=1

Compre livros sobre Marina Abramović, inclusive sua autobiografia, aqui.


Cindy Sherman
(1954, EUA)

Transitando entre a atuação e a fotografia, Cindy Sherman é conhecida por seus autorretratos conceituais nos quais ela usa maquiagem, perucas e roupas para se vestir como diversos personagens, tanto femininos, quanto masculinos, e tratar temas de gênero e estereótipo. Uma dessas obras bateu o recorde de valor alcançado em leilão por uma fotografia em 2011, atingindo 3,89 milhões de dólares. Além de fotógrafa, ela também é diretora de cinema.

Cindy Sherman, Untitled #96, 61x120cm, 1981. Uma das fotografias mais caras do mundo, leiloada em 2011.


Algumas das obras de Cindy Sherman.


Cindy Sherman, Untitled, 1990. Nessa série a artista faz a releitura de pinturas antigas.

Compre livros sobre Cindy Sherman aqui.


Adriana Varejão
(1964, Brasil)

Uma das artistas brasileiras contemporâneas de maior projeção mundial, Adriana Varejão foi bastante influenciada pela arte barroca e colonial. Se expressando através da pintura, fotografia, escultura e instalação, ela pesquisou temas tais como a abstração, a ruína, o monumento, o monocromatismo, a violência; a história, as ciências naturais, a arquitetura.


Adriana Varejão, Carnívoras, óleo e gesso sobre tela, 2008.

Compre livros sobre Adriana Varejão aqui.

Bibliografia:

Michael RUSH, New Media in Art, Thames & Hudson, Londres, 2005.

ADRIANA Varejão. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/pessoa17507/adriana-varejao&gt;. Consultado em: 07 de Mar. 2017. Verbete da Enciclopédia. ISBN: 978-85-7979-060-7

Fontes e fontes das imagens:

https://en.wikipedia.org/wiki/The_Dinner_Party

http://www.tagesspiegel.de/weltspiegel/sonntag/interview-mit-marina-abramovic-mit-70-muss-man-den-bullshit-reduzieren/13913260.html

https://news.artnet.com/art-world/marina-abramovic-says-children-hold-back-female-artists-575150

http://cultura.estadao.com.br/noticias/artes,veja-10-performances-historicas-e-polemicas-de-marina-abramovic,1644231

https://cfileonline.org/architecture-not-clay-adriana-varejao-tile-rios-olympic-swimming-pool-contemporary-ceramics-cfile/

http://www.inhotim.org.br/inhotim/arte-contemporanea/obras/galeria-adriana-varejao/

http://www.musee-virtuel.com/lempicka.htm

http://www.judychicago.com/

https://www.centrepompidou.fr/cpv/resource/c9n4RA5/r5x8ny

http://www.newsanswers.com/2016/05/27/brisbane-will-see-cindy-shermans-exhibition/

http://www.mam.paris.fr/fr/expositions/exposition-sonia-delaunay en.wikipedia.org/wiki/File:Marina_Abramovi%C4%87,_The_Artist_is_Present,_2010_(2).jpg by Andrew Russeth

 

Anúncios

2 comentários sobre “10 mulheres artistas da Renascença aos dias atuais

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s