Obras Inquietas 62. “Anima dannata” (1619), Gian Lorenzo Bernini

Não escutamos o grito, mas conseguimos imaginá-lo: retumbante, assombroso, com toda a dor congelada no momento exato, terrível, que se preparava para sair dos lábios ressequidos e ganhar o mundo. Os olhos arregalados até quase saltarem das órbitas, a fronte franzida e a boca aberta em um ângulo impossível não deixam dúvidas: eis um homem que sabe que foi condenado a passar a Eternidade em sofrimento. Todo grito contém um pouco de indecência; fomos ensinados a não expor a dor publicamente, a não sentir em demasia, a não expressar em voz alta o desespero que corrói a nossa paz de espírito. Todo esse ensinamento só serve para sufocar os inúmeros gritos que enchem nossas bocas, transformando-nos em criaturas repletas de pulsões selvagens, silenciosas. Para libertar seu pavor nesse grito mudo que o mármore eternizou, o homem tinha que experimentar a pior de todas as sensações: o fim da esperança. A certeza de que nada irá salvá-lo, seja do horror invisível que jaz aos seus pés, seja do formão e do cinzel do escultor que manuseia a forma bruta do mármore e dá concretude para um terror eterno, indescritível. Um medo desconhecido, mas que sabemos que mora no fundo do nosso espírito, no local em que a sombra se separa do corpo. Nunca saberemos qual o som da voz que mora no fundo da insensata pedra; nunca saberemos a origem de tamanho pânico, se o homem percebe-se condenado ao inferno ou à dor. No entanto, no meio da anônima noite, às vezes sentimos o medo escorrer pelas paredes repletas de escuridão e se despejar sobre o nosso peito. Nessas ocasiões, repletas de angústia longa e excruciante, gostaríamos que um grito iluminasse nossas trevas internas e expulsasse o fardo de existir da mesma forma que expulsamos um cachorro do quarto.

 

Compre os livros de contos do autor aqui.

Compre livros sobre Bernini aqui.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s