Desejo e religião no filme ‘Chocolate’ de Lasse Hallström

Come chocolates, pequena; Come chocolates! Olha que não há mais metafísica no mundo senão chocolates. Olha que as religiões todas não ensinam mais que a confeitaria. Come, pequena suja, come! Pudesse eu comer chocolates com a mesma verdade com que comes! Mas eu penso e, ao tirar o papel de prata, que é de folha de estanho, Deito tudo para o chão, como tenho deitado a vida.”

Em uma mistura que envolve solidão, imensidão interior, desvario, resignação, angústia, inquietação e uma dose de um niilismo realista, Álvaro de Campos narra o poema da Tabacaria. Estaria ele a escrever para Vianne Rocher  (Juliette Binoche) personagem do filme “Chocolate” de Lasse Hallström? O canto de Pessoa seria o vento do norte que conduzia a moça pelos cantos do mundo? Estaria o poeta lusitano em acordo com o último Heidegger a nos mostrar a verdade onde ela mora, na poesia? Os chocolates comidos apresentam um problema às religiões que querem pra si o estatuto de metafísica maior? A mulher seria o negativo da mordaça religiosa? O chocolate de Pessoa é a maçã de Eva? Comer chocolate é padecer no paraíso negado da carne? O que seria o paraíso: o altar? Ou o gosto do chocolate? Produzir chocolate é construir edifícios metafísicos?

A chegada de Vianne a um pequeno vilarejo, que tinha na batuta do conde todas as dimensões de imaginação, fora de fato uma ruptura revolucionária dentro da construção metafísica dos moradores. Claro que a sua dimensão também não restaria inerte. Somos o mundo, nele nos criamos. Simultâneos à sua fundação. Assim, a chocolateria de Vianne, uma nômade que seguia os ventos do norte, começara a se insinuar ao vilarejo. Como um cheiro novo que aguça paladares fatigados. E o novo, ah, nem sempre o novo respeita a tradição. Contudo, tradição aqui, pode-se entender como uma ideologia construída, fundada no medo, no castigo, própria de uma interpretação do cristianismo. O conde, kantiano nos hábitos, procurava manter a cidadela em seu controle. Cada qual guardando seu lugar. As ações orquestradas. Sem jazz, apenas partituras sendo seguidas à risca.

A componente ideológica que chamamos de metafísica religiosa paira sobre a pequena vila. Ali as mulheres não possuem lugar, senão aqueles aos quais uma cultura machista lhes confere. Nesse sentido, a chocolateria seria a fecundação nova que se ausentava da cidade. O sorriso das mulheres é um elemento que o chocolate cria. O rigor da religiosidade do local não permite esse abuso. O chocolate é o feminino que fecunda o ar  da cidadela. Dessa relação vão nascer filhos. Os pais não são os mesmos. A linhagem da cidadela não se manterá. A ideologia da religião que violenta a imaginação e que nega a dimensão carnal da vida vai sendo levemente deixada pra trás. Há violência. Em toda ruptura há. O amor carece revolução pra brotar. Em um barco chega o amor de Vianne. Em seus olhos resta toda a metafísica do chocolate que agora mela a dureza do chão invernoso que reinava na cidadela.

O chocolate ensina, diria Pessoa. A religião ali desensinava. O povo não poderia sonhar. Em verdade. A metafísica do chocolate, nietzschiana talvez, a confrontar a escuridão da metafísica religiosa. Poderíamos pensar o filme como uma ode ao sonho. Exatamente como Pessoa, que solicita que sua pequena suja coma chocolates. Sem pudores. Com a exata dimensão do desvestimento que os momentos de ruptura trazem. Com a nudez do real. Na mesma imensidão com que os amores nos arrebatam e deles não podemos nos desvencilhar. Com a percepção de que inventar é jeito de viver sem amarras. Que dentro do próximo chocolate mora o desejo. Lutar contra ele, esse gosto que nos consome, pode ser ao mesmo tempo não se entregar ao vento que sopra e traz o novo. Embalado – em forma de mulher, homem, padre ou chocolate. Mas que compõe a poesia que é o humano: metafísica de si, embalado pelo vento do olhar do outro, infinito e cheio de gosto.

Compre os livros do autor desse post aqui (Cinema com filosofia Vol 1) ou aqui (Cinema com filosofia Vol 2).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s