OBRA DE ARTE DA SEMANA: Retrato dos duques de Urbino Federico da Montefeltro e Battista Sforza, de Piero della Francesca


Piero della Francesca, Os duques de Urbino Federico da Montefeltro e Battista Sforza, óleo sobre madeira, 47 x 33cm (cada retrato), 1473-1475. Conservado na Galleria degli Uffizi, Florença, Itália.

Os retratos do casal ducal de Urbino, Federico da Montefeltro e Battista Sforza, se posicionam não em uma parede na Galleria degli Uffizi, em Florença, mas sim no meio de uma sala, para que os espectadores possam admirar tanto as imagens de perfil, de um lado, quanto às cenas alegóricas, com cada um dos esposos em um carro acompanhado por personificações das virtudes – na imagem de Battista, por exemplo, vemos a duquesa lendo um livro de orações, mostrando assim sua fé, em um carro puxado por unicórnios, símbolo da castidade, e acompanhada pelas virtudes teologais, Fé, Esperança e Caridade.

  

É interessante notar que apesar de ricamente emoldurado de maneira fixa há alguns séculos, na época que foram criadas as pinturas podem ter sido pensadas como um díptico que podia ser dobrado e fechado como um livro através de molduras ligadas por uma dobradiça, e, assim, facilmente ser carregado de um palácio a outro do comanditário, sendo seu tamanho reduzido bastante adequado para tanto.

O comanditário em questão foi o próprio duque Federico da Montefeltro, que encomendou a pintura a Piero della Francesca em 1472. Sua intenção era homenagear sua esposa Battista Sforza, uma mulher culta muito admirada por seu marido, morta precocemente após dar a luz ao seu primeiro herdeiro homem, Guidobaldo, mostrado em outro retrato, provavelmente pintado por Pedro Berruguete, que data de alguns anos depois.


Pedro Berruguete, Retrato de Federico da Montefeltro e do filho Guidobaldo, dito Duplo retrato, óleo sobre madeira, 138,5 x 82,5 cm, 1476-1477. Conservado na Galleria Nazionale delle Marche – Palazzo Ducale di Urbino, Urbino, Itália.

A duquesa ostenta a palidez da morte. Apesar de ser tradicional a representação das mulheres com pele mais clara do que os homens, seguindo a tradição greco-romana, o fato de se tratar de um retrato póstumo baseado na máscara fúnebre da defunta faz com que sua palidez evoque sua morte, e não somente seu sexo e delicadeza. As máscaras fúnebres, moldadas sobre os rostos dos defuntos recém-falecidos, para que se guardasse uma imagem do morto, eram bastante comuns na época. Além da alvura, podemos notar outra diferença entre os retratados: as rugas e pequenas imperfeições na imagem do duque. Nesta, é possível perceber ligeiras rugas em volta de seus olhos, linhas de expressão perto de seus lábios e manchinhas em sua bochecha. Em contraste, o rosto da duquesa é perfeitamente liso, etéreo e irreal. Seria a falta do modelo vivo o motivo dessas diferenças ou haveria uma idealização de Battista, perfeita aos olhos de seu marido e não mais envelhecendo, pois congelada pela morte?

Além disso, a forma do nariz do duque choca os espectadores. Na verdade, seu nariz havia sido quebrado e seu perfil representado era sempre o esquerdo, pois em uma justa, quando jovem, Federico havia deixado imprudentemente a viseira de seu elmo aberta, perdendo assim um olho após um golpe. Assim, podemos perceber que o duque é representado em seu melhor lado, mas as marcas e detalhes que tornam seu retrato real estão presentes, seguindo os exemplos citados por Alberti em sua obra De pictura (Da pintura), na qual conta que os artistas da antiguidade sempre representavam a melhor versão dos seus modelos, sem deixar de incluir alguns pequenos defeitos e características próprias que tornassem os retratos verossímeis. O mesmo desenho preparatório foi usado por Piero della Francesca para a cabeça de Federico tanto nessa pintura, quanto na Pala Montefeltro, e o modelo foi copiado por outros artistas em imagens posteriores, como, por exemplo, o retrato com seu filho Guidobaldo mostrado anteriormente.

 
Piero della Francesca, Virgem com o Menino, anjos e Santos, dito Retábulo da Brera ou Pala Montefeltro, óleo sobre madeira, 251 x 172cm, 1472. Conservado na Pinacoteca di Brera, Milão, Itália.

Em contraste com as características particulares apresentadas no retrato do duque, sua pose é impassível e não podemos discernir seus sentimentos, exatamente pelo fato da representação ser de perfil. Esse tipo de retrato aristocrático entrou em moda na Renascença após a redescoberta das medalhas e efígies romanas, que inclusive, eram imitadas pelos contemporâneos que se faziam representar em bronze. Sua dignidade como duque – título o qual havia lhe sido conferido há pouco tempo pelo papa – e sua sensatez e ponderação, traços que realmente lhe pertenciam, são perfeitamente conferidos pela sobriedade dessa maneira de retratar.

Ao fundo das duas pinturas, de maneira contínua, vemos uma paisagem imaginária – representada de maneira detalhada inspirada pelos primitivos flamencos, tal como Van Eyck -, que não faz referência a nenhum ponto específico do território ducal, mas que lembra diversas paisagens que poderiam ser vistas em suas terras. A paisagem mostrada nas alegorias do lado oposto segue esse mesmo padrão.

Assim, o retratado, que ganhava a vida como condottieri, guerreando por dinheiro para outros príncipes e nobres, é mostrado em toda sua dignidade como igual aos seus empregadores. O duque se esforçou para ser um dos maiores mecenas de seu tempo e tornar sua corte uma das mais eruditas, buscando paz através da guerra conduzida com sabedoria.

Bibliografia:

Alison COLE, La Renaissance dans les cours italiennes, Paris, Flammarion, 2008.
Compre esse livro (em inglês) aqui.

Links:

“Doppio ritratto” in Galleria Nazionale delle Marche – Palazzo Ducale di Urbino, [Online]. Consultado em 01/01/2019.
http://www.gallerianazionalemarche.it/collezioni-gnm/doppio-ritratto/

“I duchi di Urbino Federico da Montefeltro e Battista Sforza” in Uffizi, [Online]. Consultado em 01/01/2019.
https://www.uffizi.it/opere/i-duchi-di-urbino-federico-da-montefeltro-e-battista-sforza

“La Vergine con il Bambino, angeli e Santi (Pala Montefeltro)” in Pinacoteca Brera, [Online]. Consultado em 01/01/2019.
https://pinacotecabrera.org/collezione-online/opere/vergine-con-il-bambino-angeli-e-santi-pala-montefeltro/

Fontes das imagens:

it.wikipedia.org/wiki/File:Piero_della_Francesca_044.jpg

commons.wikimedia.org/wiki/File:Piero_della_Francesca_046.jpg

https://www.uffizi.it/opere/i-duchi-di-urbino-federico-da-montefeltro-e-battista-sforza
http://www.gallerianazionalemarche.it/collezioni-gnm/doppio-ritratto/

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s