“Desespero”, de Stephen King (breve nota sobre o livro)

“Desespero” é um romance no clássico estilo de Stephen King: narrativa envolvente, personagens muito bem construídas – com sólidas e profundas histórias, idas e vindas em vários flashbacks, a luta do bem contra o mal e questões trabalhadas na histórias … Continuar lendo “Desespero”, de Stephen King (breve nota sobre o livro)

OBRAS INQUIETAS 61. “Autorretrato com máscaras” (1899), James Ensor

  Idêntico ao estilhaço de um navio naufragado, atravessamos as águas agitadas da existência lutando para manter a integridade, esforçando-nos para não ceder à angústia, tentando ignorar o medo. Caminhamos pelas ruas e avenidas dessa cidade que degusta a loucura … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 61. “Autorretrato com máscaras” (1899), James Ensor

OBRAS INQUIETAS 38: “Finis – O Fim de todas as coisas” (1887), Maximilian Pirner

Existem mistérios que não conseguimos responder, e a nossa cegueira seletiva sempre impressiona: vemos aquilo que está diante dos olhos, mas somos incapazes de perceber os infernos que nos espreitam se dermos um passo para o lado errado, se virarmos … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 38: “Finis – O Fim de todas as coisas” (1887), Maximilian Pirner

OBRA DE ARTE DA SEMANA: “Não estamos todos no mesmo barco” de Banksy

Banksy, We’re Not All in the Same Boat (Não estamos todos no mesmo barco), estêncil sobre muro em Calais, França, 2015. “Algumas pessoas se tornam policiais porque querem tornar o mundo um lugar melhor. Algumas pessoas se tornam vândalos porque … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: “Não estamos todos no mesmo barco” de Banksy

OBRA DE ARTE DA SEMANA: O desespero da morte em A jangada da Medusa, de Géricault

Theodore Géricault, A jangada da Medusa, óleo sobre tela colocada sobre madeira, 491 x 716 cm, 1819. Conservada no Museu do Louvre, Paris, França. A jangada da Medusa (1819), de Théodore Géricault, é uma obra grandiosa, parte do acervo do … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: O desespero da morte em A jangada da Medusa, de Géricault

OBRAS INQUIETAS 07. “Casal” (1986), de Montserrat Gudiol

07. “Casal” (1986), de Montserrat Gudiol Todos nós já estivemos nessa situação, mas preferimos esquecer: em meio ao mais absoluto desespero. Tão atordoados que sequer conseguimos esboçar palavras; tão atônitos que não conseguimos nos mexer, cada músculo do corpo imerso no … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 07. “Casal” (1986), de Montserrat Gudiol