O filme ‘O homem duplicado’, inspirado no romance de Saramago

“A história acontece primeiro como tragédia, depois se repete como farsa”. Essa frase de Marx escrita em seu “O 18 Brumário de Luís Bonaparte”, bem como as repetidas falas do professor  Adam Bell  (Jake Gyllenhaal) em suas aulas, talvez sejam um dos … Continuar lendo O filme ‘O homem duplicado’, inspirado no romance de Saramago

OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘O impossível do possível’ de Fabrini Crisci

Fabrini Crisci, O impossível do possível, acrílico sobre tela, 70x50cm, 2018. Fabrini Crisci, além de artista visual, é um mágico que se apresenta no mundo inteiro, e esse seu outro lado criativo é extremamente presente em suas pinturas, quase todas … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: ‘O impossível do possível’ de Fabrini Crisci

OBRA DE ARTE DA SEMANA: Ahora juguemos a desaparecer (II), de Carlos Garaicoa

Carlos Garaicoa, Ahora juguemos a desaparecer (II) – Agora brinquemos de desaparecer (II) –, vídeoinstalação, 2002. Conservado no Inhotim, em Brumadinho, Brasil. A vídeoinstalação Ahora juguemos a desaparecer (II) – Agora brinquemos de desaparecer (II) – do artista cubano Carlos … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: Ahora juguemos a desaparecer (II), de Carlos Garaicoa

OBRA DE ARTE DA SEMANA: Saturno devorando um filho, de Goya

GOYA, Francisco de. Saturno devorando um filho, 1819-1823, 1,43 m x 81 cm Olhar para essa pintura de Goya, chamada Saturno devorando um filho (1819-1823), já provoca choque e asco, o que normalmente afasta o espectador. Contudo, ela tem uma história curiosa e … Continuar lendo OBRA DE ARTE DA SEMANA: Saturno devorando um filho, de Goya

OBRAS INQUIETAS 21. “Retrato de Varya Adoratskaya” (1914), Nicolai Fechin

“Retrato de Varya Adoratskaya” (1914), Nicolai Fechin Existiu uma época em que o mundo era um local incrível: cheio de novidades, de luzes, de sons estranhos que tentávamos transformar em imagens, de sabores esdrúxulos que agradavam ou repudiavam ao paladar. … Continuar lendo OBRAS INQUIETAS 21. “Retrato de Varya Adoratskaya” (1914), Nicolai Fechin